"Escola Segura": ambiente saud√°vel permite interação e aprendizado dos estudantes da rede estadual

Por PH em 14/09/2023 às 15:00:32
Divulgação

Divulgação

Com atenção, os policiais militares fazem a ronda no quarteirão da escola. As luzes ligadas, identificam de longe o ve√≠culo policial. A entrada da equipe pela porta da frente é calma. Nos corredores alunos, professores, merendeiras, e quem mais passar pelos homens e mulheres fardados, recebe o grupo com sorrisos, nitidamente em agradecimento pela presença no ambiente escolar.

Para os alunos, estar na presença da equipe da Pol√≠cia Militar não causa qualquer tipo de incomodo. Fica claro que todos estão acostumados com a presença uns dos outros, dentro e fora da escola.

"A gente cria um laço de amizade com os alunos. Me chamam para os eventos da escola. O √ļltimo que participei foi a Feira dos Conhecimentos, porque tem v√°rias disciplinas envolvidas. Agora não é mais Feira de Ci√™ncias, j√° me ensinaram. Eles só querem atenção, e aceitam serem orientados. É o que estamos fazendo", disse o sargento F. Pires, que j√° se tornou anjo da guarda e padrinho da turma do futebol de uma das escolas onde atua.

A equipe do time de futebol da EE José Mamede de Aquino, no Jardim Aeroporto, ao lado dos policiais militares que presentearam os alunos com o novo uniforme

A promoção deste ambiente favor√°vel nas unidades da Rede Estadual de Ensino e também no entorno das escolas, é um dos resultados j√° alcançados no programa "Escola Segura, Fam√≠lia Forte".

Com rondas no entorno das escolas e atuação nas salas de aula, os policiais participam de palestras, orientações e resolução de conflitos, e se tornaram parte da rotina. "A gente consegue falar de assuntos diversos com eles. E somos um apoio para os diretores, assim eles podem se concentrar na administração da escola e no ensino, que é o papel deles, e nós cuidamos da segurança e prevenção, que é a nossa responsabilidade", disse o sargento.

Com 280 alunos que estudam do 1¬į ao 3¬į ano do ensino médio, em tempo integral, o diretor Paulo Castaldelli, da Escola Estadual Amélio de Carvalho Ba√≠s – no Coophatrabalho –, confirma que a presença dos policiais contribui para a segurança na unidade e no entorno. "Temos um grupo de policiais muito preparado. Eles sabem trabalhar com a juventude. E estão presentes na escola de maneira frequente e preventiva, com isso tem diminu√≠do muito as ações necess√°rias de forma repressiva".

O contato com as equipes da popular "Ronda Escolar" também é f√°cil, basta enviar mensagem – por meio de aplicativo – e rapidamente um dos policiais da viatura, exclusiva para o atendimento das escolas, entra em contato e faz os encaminhamentos.

"Temos contato imediato com o grupo, onde estão os diretores e os policiais. Mas eles (equipe da PM) sempre estão na escola, presentes. É um formato diferenciado de policial. Na entrada dos alunos ficam na porta cumprimentando os pais, conversando, orientando. Acompanham a rotina, visitam, conversam, e quando tem algo mais pontual, dão suporte. Hoje a gente tem segurança, quando eles estão não precisa a pol√≠cia agir de outra forma. A presença dos policiais j√° é autoridade suficiente", disse Castaldelli.

O "Escola Segura, Fam√≠lia Forte" tem equipes espec√≠ficas de policiais em todas as regiões de Campo Grande, com atendimento em todas as escolas da Rede Estadual de Ensino. Na periferia ou na √°rea central, o cuidado e a atenção com a comunidade escolar garantem a segurança nas ruas e na sala de aula.

Iasmin Calazans é mãe de Nina, 11 anos, que faz o 6¬į ano do ensino fundamental na Escola Estadual Maria Constança Barros Machado, acompanha de perto a segurança da filha na escola e est√° satisfeita com as rondas realizadas na região, conhecida por ser √°rea de circulação de adictos. "Vejo a pol√≠cia com frequ√™ncia, tanto na porta da escola quando fazendo ronda".

E o cuidado com os alunos é em todo o trajeto, de ida e volta para a escola, e especialmente nos pontos de ônibus. "Eu cuido o tempo todo. Quando entra e quanto sai da escola. Se est√° indo pegar o ônibus, ou vai a pé para outro lugar, eu sempre oriento a não andar sozinho. Ir de turma porque assim um cuida do outro. E os policiais estão sempre por aqui cuidando também", garante a agente de controle de acesso da escola, Joana Mara Rocha.

Os grupos de mensagens de aplicativos, usados pelos policias militares do "Escola Segura, Fam√≠lia Forte", são essenciais para a rapidez de resposta. Sem qualquer necessidade de registrar o pedido de ronda ou apoio pelo 190, as ações nas escolas são imediatas, sem qualquer tipo de espera.

"Os diretores solicitam quando identificam algum problema, dentro ou fora da escola. E mesmo que não chamem a gente faz as rondas e visitas regulares no entorno, damos orientações. A nossa atuação é sempre buscando a prevenção. E quando tem necessidade a gente faz repreensão também, conduz e d√° o encaminhamento burocr√°tico", explicou o sargento Carlos Fontes, que também atua em uma das viaturas da "Ronda Escolar".

O sucesso da metodologia de trabalho possibilita outras parcerias com a escola. Como ação extra, os alunos do 2¬į ano do ensino médio da Escola Estadual Amélio de Carvalho Ba√≠s, participaram de uma palestra sobre viol√™ncia doméstica, ministrada por policiais militares do Promuse (Programa Mulher Segura), da Pol√≠cia Militar.

Com técnicas espec√≠ficas, os policiais conseguem transmitir a mensagem, e ainda estão preparados para receber qualquer tipo de den√ļncia. "A presença da pol√≠cia é muito importante para a segurança da escola. E também auxilia nas den√ļncias e na identificação de pessoas que sofrem qualquer tipo de viol√™ncia, em especial a doméstica e contra a mulher", disse a presidente do Gr√™mio Estudantil, Izabelli Fernandes.

"Tem muita gente nas escolas que convive com viol√™ncia, e precisam de ajuda", afirmou o aluno José Maria Bento Neto, 17 anos. "Se alguém não denunciou por medo, e tem gente que não fala, esta é uma oportunidade", disse a também aluna, Hermione Mendes, 17 anos.

Com atuação no interior do Estado, a sargento Jaqueline Frazão, confirma que j√° recebeu den√ļncias de alunos dentro da escola, logo após uma palestra educativa. "Antigamente a pol√≠cia dava mais √™nfase para as ocorr√™ncias na rua, havia um distanciamento do policial para a comunidade. Algumas ações como o Proerd (Programa Educacional de Resist√™ncia às Drogas) e a Ronda Escolar, trouxe uma proximidade. E os policiais podem atuar com orientação em diversos temas. Agora existe uma proximidade, amizade, a gente cria v√≠nculo e fica mais f√°cil dos alunos denunciarem qualquer problema, eles confiam e falam".

Respons√°vel pelo "Escola Segura, Fam√≠lia Forte", na Pol√≠cia Militar, a tenente-coronel Let√≠cia Raquel Lopes, mantém o cronograma di√°rio de visitas e rondas nas unidades escolares. "A interação com a direção, palestras, orientação, tudo isso faz parte das funções dos policias militares que atuam nas escolas. Sempre de forma preventiva".

Em Campo Grande, todas as 78 escolas da Rede Estadual de Ensino são atendidas pelo "Escola Segura, Fam√≠lia Forte", e a partir de 2024 a previsão é de expandir o programa para as maiores cidades do interior do Estado. "Estamos na fase de planejamento para implantar em Dourados, Tr√™s Lagoas, Ponta Porã e Corumb√°", afirmou o coordenador do programa na Sejusp (Secretaria de Estado de Justiça e Segurança P√ļblica), Valson Campos dos Anjos.

Leia mais:

Natalia Yahn, Comunicação Governo de MS

Fotos: Álvaro Rezende

Fonte: Assessoria de Imprensa

Comunicar erro
Governo do Estado

Coment√°rios

Assembleia Legislativa