governo ms

Em apenas 1 ano, PF passou por 8 exonerações de delegados; setor vê ações como 'perda de autonomia'

Por PH em 06/12/2021 às 00:43:43
Foto : Divulgação

Foto : Divulgação

Segundo diretor da Associação Nacional de Delegados da PF, casos de remoção de delegados durante governo Bolsonaro é "preocupante". Nesta semana, delegada envolvida no caso do blogueiro bolsonarista Allan Santos foi a terceira a ser demitida.

Somente neste ano, a Polícia Federal passou por oito exonerações, uma média de uma por mês desde que o atual diretor-geral, Paulo Maiurino.

A última ocorreu nesta semana, quando a corporação decidiu exonerar a delegada Dominique de Castro Oliveira, que atuava junto à Interpol. Ela foi a responsável pela ordem de prisão no exterior do blogueiro bolsonarista Allan dos Santos no dia 1º, conforme noticiado.

Oliveira é a terceira pessoa que perde o cargo após atuar no processo de extradição do blogueiro.

Segundo Edvandir de Paiva, diretor da Associação Nacional de Delegados da Polícia Federal (ADPF), os episódios de remoção de delegados da PF têm se repetido de forma "preocupante", e o mesmo defende aprovação de leis que protejam "a autonima da Polícia Federal".

"Esses fatos estão ficando mais recorrentes e incomodam demais. Os delegados estão extremamente indignados e insatisfeitos com toda essa situação. A única solução para resolver isso é a aprovação de leis que protejam a autonomia da PF", afirmou Paiva em entrevista ao jornal "O Globo".

Após reclamar nos dois primeiros anos de governo de não conseguir influir nas nomeações de cargos de direção na Polícia Federal, o presidente, Jair Bolsonaro, tem conseguido consolidar trocas em postos-chave, de acordo com o jornal. Em alguns casos, as mudanças têm como alvo delegados cuja conduta profissional desagradou ao governo.

Em outubro, o então superintendente da PF no Distrito Federal, Hugo Correia, também foi exonerado do cargo, causando surpresa, já que havia sido nomeado somente cinco meses antes. A superintendência de Correia conduzia o inquérito envolvendo Renan Bolsonaro, filho do presidente. (com agência Sputnik Brasil)

Fonte: JB

Comunicar erro
banner assemleia

Comentários

vacin