Bioparque

Pastor armamentista assumido usa a Bíblia para defender que mendigos passem fome

Por PH em 04/05/2022 às 16:08:28
Foto :Reprodução

Foto :Reprodução

Armamentista assumido, o religioso usou as redes sociais para condenar moradores de rua e usou versículos bíblicos para justificar o preconceito: 'se alguém não trabalha, que também não coma'"

Os líderes religiosos são vistos, em sua maioria, como "pais na fé" e, procurados por fieis, muita das vezes, para aconselhamentos e palavras de conforto. No entanto, o que se pode falar quando a mensagem vinda desses líderes é totalmente contrária a isso? Um caso envolvendo um pastor evangélico revoltou internautas, nesta semana.

Marcos Granconato é líder da Igreja Batista Redenção, em São Paulo. O pastor utilizou um texto da Bíblia para afirmar em seu Facebook, no último domingo (1), que "a maioria dos mendigos tem o dever bíblico de passar fome".

A mensagem tem repercutido durante esta semana. O líder religioso completa dizendo que : "Paulo diz aos tessalonicenses: 'Se alguém não trabalha, que também não coma'", escreveu ele. Na publicação, os comentários foram limitados por Marcos.

Diversas pessoas demonstraram revolta e contestaram a posição de Granconato. "Então a maioria dos mendigos são vagabundos [sic] na sua visão? O senhor diz isso com base em quê?", escreveu um homem. "Com base no que eu vejo nas ruas. Gente forte, saudável e jovem mendigando por aí! Quando vejo um doente, me compadeço. Mas quando olho para a maioria, percebo que é pura vagabundagem", respondeu o líder religioso.

O pastor ainda disse que já ofereceu trabalho para "um monte de mendigos". "Perguntem se eles aceitaram", escreveu ele, completando a afirmação com o Salmo 37.25. "Fui moço e já, agora, sou velho, porém jamais vi o justo desamparado, nem a sua descendência a mendigar o pão."

Em abril do ano passado, o pastor Granconato foi pivô de polêmica ao publicar uma foto com uma arma em um treino de tiro. Após a repercussão da imagem, ele fez uma publicação defendendo o armamento.

"Eu quero sim influenciar pessoas, instigando-as a praticar o tiro esportivo e ter armas em casa, desde que legalmente. Eu aprovo isso como cristão e creio que todos, após cumprir certas exigências, deviam ter armas em sua residência, em seu carro e em seu local de trabalho. Acredito que isso é sábio e bom. Se eu pudesse, pregaria armado, com um coldre sob o paletó, para proteger meu rebanho de loucos assassinos que atacam igrejas indefesas", escreveu ele.

| ( Reprodução )


| ( Reprodução )
| ( Reprodução )

Fonte: DOL

Comunicar erro
Assembleia Legislativa

Comentários

vacin