Camara municipal

Vizinha tem rosto retalhado ao exigir que manicure desligue "m√ļsica de macumba"

Por PH em 12/02/2024 às 10:28:22
Reprodução

Reprodução

Briga aconteceu na tarde desse domingo (11), na Vila F√°tima, em Jataí. Polícia abriu investigação por intoler√Ęncia religiosa e lesão corporal.

Uma manicure de 28 anos atacou a ex-vizinha, 34 anos, com um pedaço de garrafa durante briga na tarde desse domingo (11), na Joaquim Tomaz Honorato, Vila F√°tima, em Jataí - sudoeste de Goi√°s – por diverg√™ncias religiosas. A mulher sofreu corte profundos no rosto e nos braços e foi socorrida pelo Serviço de Atendimento Móvel de Urg√™ncia (Samu) e levada ao Hospital Estadual.

A autora do crime fugiu do local e ainda não havia sido localizada até a publicação desta reportagem.Conforme a denúncia, a confusão teria começado no momento em que a manicure, sua ex-vizinha, realizava mudança e ouvindo "músicas de terreiro/macumba" em alto volume.

A mulher então disse que tentou "aconselhar" a manicure a "mudar de vida", dizendo que aquelas músicas não deveriam ser ouvidas, e "pediu" que desligasse o som.

Mulher sofreu cortes profundos no rosto e membros superiores

A ex-vizinha se irritou, foi até uma distribuidora de bebidas próxima, onde comprou uma garrafa de bebida alcoólica. Ela bebeu a cerveja, quebrou o fundo da garrafa e atacou a vizinha.

Segundo o relato da vítima à Polícia Militar, que foi acionada pelo seu filho de 14 anos, a manicure desferiu v√°rios golpes na mulher, causando lesões graves, principalmente na região do rosto. Ela ficou com um corte profundo entre o olho esquerdo e a orelha, além de lesões nos membros superiores.

Ela também se queixou de tontura e perda de sangue.

A autora, que estava acompanhada de seu filho e de seu marido, deixou a família terminando a mudança e fugiu do local em seguida.

As equipes policiais realizaram patrulhamento na tentativa de localiz√°-la e prend√™-la, mas até o momento não tiveram √™xito.

A ocorr√™ncia foi registrada na Delegacia de Polícia Civil, que vai investigar o caso.

A motivação religiosa da agressão também ser√° apurada, bem como a possibilidade de outros crimes envolvendo a autora e a vítima.

Fonte: g5news

Comunicar erro
governo combate

Coment√°rios

Assembleia Legislativa